sábado, 20/07/2024

Biosseguridade nas granjas é determinante para alcançar o sucesso na suinocultura 

Como toda atividade animal, a suinocultura necessita de especial atenção dos produtores em relação à sanidade. “Existem inúmeras doenças infecciosas que podem acometer o plantel e comprometer de forma importante o negócio. Por isso, é crucial ter controle sanitário rigoroso, visando minimizar as possibilidades da ação de agente patógeno nos animais”, explica Fernanda Laskoski, médica-veterinária da Auster Nutrição Animal. 

São várias as enfermidades que afetam a suinocultura. Entre elas, estão doença de Aujeszky, brucelose, leptospirose, raiva, triquinelose, peste suína clássica e cisticercose suína.  

Há diversas formas para os agentes infecciosos se propagarem na granja. As mais comuns são ar, fômites (qualquer objeto que possa transportar micro-organismos), pássaros, roedores, animais domésticos e selvagens, dejetos, água, sêmen, insetos e ração, além das próprias pessoas e de animais de reposição. 

Para prevenir a entrada de micro-organismos infecciosos, Fernanda Laskoski recomenda que “algumas medidas simples são eficientes, como lavagem e desinfecção das instalações, redução e restrição de visitas, vazio sanitário entres lotes, programa de vacinação adequado e ajustado de acordo com os desafios e realidade de cada granja, além de isolamento e tratamento rápido e eficaz dos animais enfermos.

O controle da procedência e da qualidade dos ingredientes de ração, tratamento e destinação correta dos dejetos e dos animais mortos, além de uso de água analisada para os animais e a higiene do galpão são outros pontos extremamente importantes para o manejo sanitário. 

“É imprescindível que o produtor adote medidas para evitar a entrada e a disseminação de doenças na granja, pois elas acarretam perdas econômicas significativas, com mortalidade de animais, maior necessidade de medicamentos e perda de desempenho dos suínos”, alerta a médica-veterinária. “Com a biosseguridade inserida na rotina das granjas e a utilização de programa sanitário robusto e eficiente, os riscos são melhor controlados”. 

“Essas ações ganham mais importância devido à força do conceito de Saúde Única (One Health), que busca a redução e o uso consciente de antimicrobianos para promover a saúde e o bem-estar animal, além do cumprimento de medidas preventivas de políticas de saúde humana e pública”, completa Fernanda Laskoski.  

CATEGORIAS:

Últimas Notícias

spot_img

Mais notícias

MS registra 15.101 casos confirmados de dengue

Mato Grosso do Sul já registrou 18.915 casos prováveis de Dengue, sendo 15.101 casos confirmados em 2024, de acordo com dados do boletim da...

No Dia Mundial da Cobra, Bioparque destaca importância de duas moradoras que ganharam vida nova

Gaby Amarantos e Rachel Carson, nomes de batismo de uma sucuri e uma jiboia que vivem no maior aquário de água doce do mundo...

Homem é preso em flagrante peças de fuzil que seriam entregues na Rochinha

FICCO/RJ e Receita Federal prendem homem responsável pela importação ilegal de peças de fuzil pelos Correios no Rio de Janeiro. O material seria enviado...

Rancho do Tio Léo promove grande evento com Eco do Pantanal, Chama Campeira e Michela Dutra

Campo Grande se prepara para uma noite de música e dança no Rancho Do Tio Léo, nesta sexta-feira. O local estará de cara nova...