domingo, 14/07/2024

Em resposta ao STF, Rodolfo Nogueira barra terras produtivas para reforma agrária

Foi aprovado na Comissão de Agricultura (CAPADR) o PL 4357/2023, de autoria do deputado federal Rodolfo Nogueira (PL-MS), que impede que terras produtivas sejam desapropriadas para a realização da reforma agrária. A proposta prevê que não será possível a desapropriação por interesse social, para fim da reforma agrária, a propriedade produtiva que não cumprir sua função social de terras produtivas.

“O projeto de lei trata de tirar da prateleira de terras desse governo federal as fazendas e propriedades produtivas desse Brasil. Nós sabemos que o agro tem sido atacado por esse governo federal e também, em uma decisão do STF, em que ele praticamente rasgou o artigo 185 da Constituição Federal, inciso II, no que se refere que a propriedade privada não pode ser alvo de reforma agrária nesse país”, justificou Nogueira.

De acordo com a matéria, a desapropriação de terras produtivas pode ter consequências negativas, como a diminuição da produção agrícola, com impacto negativo na economia brasileira e na segurança alimentar da população.

O projeto de lei defende que a reforma agrária deve ser conduzida de forma a garantir que a produção agrícola seja preservada e que conflitos sociais sejam evitados, ao contrário da decisão do STF.

“Hoje tivemos uma vitória importantíssima na Comissão de Agricultura pelo nosso presidente Evair e demais deputados que participaram e votaram. Essa decisão traz uma segurança jurídica novamente para aqueles produtores que tratam da propriedade com certeza atingindo as metas que são impostas de produtividade e consequentemente uma estabilidade jurídica para todas as propriedades do Brasil que são produtivas e também contra as invasões que o MST hoje tanto pratica deliberadamente nesse país, então essa é uma resposta ao STF que legislou em cima da Constituição Federal e uma resposta a esse movimento terrorista que tanto promove terror no campo invadindo fazendas e propriedades produtivas”, reforçou o autor da matéria.

A produção agrícola desempenha um papel crucial na economia do país, gerando empregos e contribuindo para a balança comercial. A desapropriação de terras produtivas pode prejudicar essa produtividade.

“Por último, é importante mencionar que a desapropriação de terras produtivas pode provocar conflitos sociais, uma vez que os proprietários dessas terras se sentirão prejudicados. Esses conflitos podem levar à violência e à instabilidade social”, diz parte do texto.

CATEGORIAS:

Últimas Notícias

spot_img

Mais notícias

Diretoria da OAB/MS realiza visita institucional na Assembleia Legislativa

Nesta quinta-feira (11), a Diretoria da OAB/MS realizou visita institucional na Assembleia Legislativa para tratar do Projeto de Lei referente à custas processuais em...

Livro que inspirou espetáculo teatral será lançado nesta sexta

Literatura e teatro têm um longo histórico de andarem juntos. Para a escritora sul-mato-grossense Isabel Fiorese, os dois têm “uma relação estreita e interconectada”. E...

Não esqueça o casaco: terça-feira tem chances de chuvas e alta nebulosidade favorece sensação de frio

Para esta terça-feira (9), a previsão indica mudanças no tempo, com muita nebulosidade e condições para chuvas em Mato Grosso do Sul. Com isso,...

Deputado Gerson Claro recebe visita do presidente do PL-MS, tenente Portela

O presidente da Assembleia legislativa de Mato Grosso do Sul, deputado Gerson Claro recebeu na manhã desta quinta-feira em seu gabinete (11) a visita...