domingo, 23/06/2024

Detentos do presídio de Caarapó exploram novas perspectivas através da arte com argila

Um gesto de reinserção e transformação ganhou espaço no Estabelecimento Penal Masculino de Regime Fechado de Caarapó, onde detentos participaram de uma instigante jornada artística. A ação integra o projeto Reintegr’Arte, que visa proporcionar oficinas gratuitas e profissionalizantes de argila, com instrução teórica e prática, buscando estimular o processo criativo e despertar o interesse pelo trabalho manual.

Além de  Caarapó, também vêm sendo contemplados com a capacitação internos em unidades prisionais de Aquidauana, Campo Grande, Rio Brilhante, Jardim, Ponta Porã e Jateí, abrangendo tanto presídios femininos quanto masculinos.

A qualificação é uma parceria entre a Agepen (Agência Estadual de administração do Sistema Penitenciário de Mato Grosso do Sul) e a FCMS (Fundação de Cultura de Mato Grosso do Sul) e tem financiamento do Fundo de Investimentos Culturais.

Até o momento, a iniciativa, que percorreu estabelecimentos penais de quatro cidades, resultou na confecção de mais de 300 peças por homens e mulheres em reclusão, oferecendo-lhes não apenas uma nova forma de expressão, mas também uma visão renovada sobre suas habilidades e potencialidades, especialmente no que se refere à geração de renda. A unidade de Caarapó foi o sexto presídio a receber a ação, com oficina realizada entre os dias 8 e 15 deste mês.

Reeducando durante confecção de peça no Estabelecimento Penal de Caarapó.

Sob a orientação dos experientes mestres artesãos Rodrigo Avalhaes e Cleber Ferreira, juntamente com as instrutoras Fabiane Avalhaes Marçal e Léia Cristina da Silva Souza Marçal, o projeto busca disseminar o conhecimento e a expertise adquiridos ao longo dos anos, promovendo não apenas a capacitação profissional, mas também o desenvolvimento pessoal dos participantes.

Para o instrutor Cleber Ferreira, mestre responsável pela oficina, levar esse conhecimento para pessoas que se encontram em situação de reclusão é extremamente gratificante. “É uma oportunidade de contribuir para a sua ressocialização, oferecendo-lhes uma nova perspectiva de vida por meio da arte”, afirma.

Responsável por acompanhar os trabalhos no presídio de Caarapó, a policial penal Tatiane dos Santos Silva, que atua como Assistente Social, destacou o caráter terapêutico do trabalho com argila: “É um momento de reflexão e relaxamento para os internos, além de proporcionar uma potencial fonte de renda para aqueles que se interessarem em comercializar suas criações após a progressão de regime”, pontuou.

Ações como essa de reintegração social desenvolvidas em presídios de Mato Grosso do sul são coordenadas pela Diretoria de Assistência Penitenciária da Agepen.

CATEGORIAS:

Últimas Notícias

spot_img

Mais notícias

Avião “dá cambalhota” ao pousar em aeroporto do Paraná

Um Avião Biplano do ano de 1931 dá "cambalhota" durante acidente em Ponta Grossa no Paraná. Ninguém se feriu. O acidente ocorreu na última...

Ex-miss é apontada como integrante de quadrilha de roubo de celulares

Ex-miss de MS é apontada como membro de quadrilha que usava moradores de rua e usuários de drogas para a compra de celulares e...

Vinho mais antigo mundo é descoberto em tumba romana

Vinho mais antigo mundo é descoberto em tumba romana intocada. Líquido avermelhado foi encontrado em urna funerária de cerca de dois mil anos. A...

Mais de mil alunos da REME são beneficiados com a revitalização de duas unidades entregues na região Prosa

Duas revitalizações de escolas da região Prosa de Campo Grande, do programa Juntos Pela Escola, foram entregues na tarde desta quinta-feira (20), e contemplam...